sexta-feira, 18 de março de 2016

Ban Ki-moon (Secretário Geral das Nações Unidas nas políticas de prevenção e combates as drogas)




Ban Ki-moon (Secretário Geral das Nações Unidas nas políticas de prevenção e combates as drogas) declara em seu relatório de 26 junho 2015:

Em setembro, os líderes de todo o mundo se encontrarão nas Nações Unidas para adotar uma nova e ambiciosa agenda de desenvolvimento sustentável para erradicar a extrema pobreza e fornecer uma vida digna a todos. Essa ambição, enquanto alcançável, deve abordar vários obstáculos, incluindo o dano mortal que o tráfico e o abuso de drogas causam às comunidades e aos indivíduos. 

Nossa resposta compartilhada a esse desafio é fundamentada nas convenções internacionais de controle de drogas. Em total acordo com os padrões e normas de direitos humanos, as Nações Unidas defendem um cuidadoso reequilíbrio das políticas internacionais sobre drogas controladas. Precisamos considerar alternativas para a criminalização e o encarceramento de pessoas que usam drogas e concentrar os esforços da justiça penal naqueles envolvidos no fornecimento. Devemos aumentar o foco na saúde pública, na prevenção, no tratamento e cuidado, assim como nas estratégias econômicas, sociais e culturais.
Nós precisamos abordar o nexo entre drogas ilícitas e violência, corrupção e terrorismo. Uma abordagem equilibrada reconhece as estreitas ligações entre aqueles que traficam drogas e aqueles envolvidos em redes criminosas voltadas para o contrabando de armas de fogo, sequestros, tráfico de pessoas e outros crimes. Esse trabalho também deve incluir esforos redobrados para prevenir o fornecimento dos precursores químicos que são a base de uma grande quantidade de drogas ilícitas.
Promover cooperação internacional por meio das convenções da ONU sobre o crime transnacional organizado e a corrupção é essencial para enfrentar os desafios de segurança e desenvolvimento presentes na atualidade.  Nenhum crime deve escapar da justiça. A abordagem equilibrada clama pela unidade dos propósitos dentro da comunidade internacional, incluindo as Nações Unidas, a sociedade civil e, principalmente, as nações do mundo. Nenhum país pode trabalhar de maneira isolada. Esforços compreensivos e integrados a nível local, regional e global oferecem a melhor esperança para lidar com traficantes, ao mesmo tempo em que se tem o cuidado de proteger grupos vulneráveis e comunidades marginalizadas.
Os esforços contra drogas ilícitas precisam ser conectados ao nosso trabalho de promover oportunidades por meio do desenvolvimento equitativo e sustentável. Nós devemos nos esforçar continuamente para fazer o fraco e o frágil mais fortes. A Sessão Especial da Assembleia das Nações Unidas (UNGASS) sobre o problema das drogas, que acontecerá em abril de 2016, pode avançar nesse sentindo, com países compartilhando conhecimentos e elaborando soluções comuns.
No Dia Internacional contra o Abuso e o Tráfico Ilícito de Drogas, vamos aumentar a consciência sobre o valor de se aplicar uma abordagem equilibrada a esses problemas com base no entendimento de que o desenvolvimento sustentável pode e deve catalizar mudanças em todas essas frentes.
Ban Ki-moon
Secretário Geral das Nações Unidas

*********************************************************************************
*****************************************************************************************
O que fazer para que essa "bola de neve" não cresça em nossa cidade?

Enquanto isso, no Brasil, as estatísticas apontam um número assombroso e coloca o país entre os maiores consumidores do mundo mas as estatísticas são falhas e deixam de incluir a população rural entre ouros segmentos, e mesmo assim é preocupante! Vejam essas explicações através de Francisco Inácio Bastos, coordenador o pesquisador do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), que defende a necessidade dessas pesquisas, visto que não é apenas o uso pelo uso, mas os efeitos devastadores que o avanço no consumo de drogas pode e está provocando no Brasil.
Embora até que se obtenha o resultado  do 3º relatório de pesquisa sobre o consumo de drogas no Brasil, ainda não divulgado, os dados indicadores excluem várias áreas, tais como as áreas de fronteiras, pessoas moradoras em áreas rurais e ainda assim, os resultados em um pais com duzentos milhões de habitantes que aponta 10%  de usuários (o que não é real), significa 20 milhões de pessoas necessitando de ajuda, de socorro e atenção.
O ingresso cada vez mais precoce no universo das drogas, além da evasão escolar, provoca o fenômeno do crescimento dos funcionários do tráfico, pois muitas vezes para manter o vício, crianças passam a servir de distribuidores (aviõezinhos), atraídos pelo ganho fácil de dinheiro, que porém, tem transformado essas crianças em jovens e adultos cada vez mais envolvidos com a criminalidade e, somente em nossa região, 26% das crianças já tiveram um contato direto com as drogas, e 78% dos crimes cometidos, estão relacionados diretamente com o consumo e tráfico de substâncias ilegais.
Feitos esse esclarecimentos, ínfimos, perto da enormidade do problema, apontar saídas e criar projetos para não só combater, inibir e punir, mas para principalmente prevenir e recuperar dependentes químicos, é dever ao qual não se pode mais fugir.
São várias as armas a serem usadas nessa empreitada, porém, algumas tem provocado efeitos revolucionários e mantido os recuperados fora da rota do traficante e das drogas. Estamos falando de políticas publicas de implantação de projetos de arte, esporte e cultura. Passa a ser então o meu foco, minha meta, meu norte e responsabilidade, buscar esses projetos para nossa cidade. Em um único dia de trabalho em uma de nossas escolas, junto a alunos de 12 a 18  anos divididos em 5 grupos, três alunos considerados problemáticos, obtiveram louvores na realização de trabalhos artísticos e mantiveram-se calmos e tranquilos na realização das obras. Isso me fez ver que se nós, ao invés de marginalizarmos os usuários, precisamos mesmo é abraça-los e oferecer-lhes alternativas e oportunidades. As artes marciais também tem sido uma das melhores rotas de busca, apoio e recuperação dessas pessoas, independentemente de idade, sexo, raça ou religião, e é um dos caminhos que buscarei para o enfrentamento do problema.
Efetivamente falando, fazer da escola e de qualquer espaço publico com tempo ocioso, um espaço para a prática de esportes, incentivar a busca por talentos esportivos e promovê-los, criar projetos de inclusão dentro do esporte, promover torneios e campeonatos premiando e insentivando jovens na prática esportiva, projetos esses que estarão sempre assossiados à frequencia na escola e bons rendimentos em suas notas, aproximando as famílias, as escolas e os jovens.

Pré Candidata


Sim, sou pré-candidata a vereadora pelo PRB.

Para alguns nem preciso me apresentar, mas para muitos, faço questão que conheçam minha peregrinação desde que cheguei em Itupeva ha exatos 16 anos, quando arte e cultura, eram para poucos. Trouxe em minha bagagem uma vivências de trabalhos sociais realizados voluntariamente em São Paulo, pois lá também a população sofria com a enchentes e dependiam de ajuda para se reerguer.



(foto com Sec. Estadual de Esporte, Lazer e Juventude)

Nesses 16 anos em Itupeva, cidade que aprendi a respeitar como sendo meu lar, atuei em diversas áreas procurando estar sempre perto dos cidadãos e lutando pelo desenvolvimento cultural da cidade, pois entendo que um povo culto, é um eleitor que sabe fazer suas escolhas sem se deixar levar pelas palavras doces de candidatos mal intencionados, como muitas vezes presenciei durante as eleições na cidade. Por vários anos, fui convidada a sair candidata por diferentes partidos, e sempre achei que a sigla era apenas a porta de entrada para a política, o que hoje percebo que não é verdade, pois o partido é composto por pessoas, e quanto mais filiados e políticos de boa índole o compuserem, melhor será o trabalho desenvolvido em prol da população. Foi então que escolhi o PRB (Partido Republicano Brasileiro), que nesse momento, é o que mais cresce no Brasil, exatamente pela sua política de manter seus representantes afastados do cenário da corrupção. Para ser um Republicano, é preciso primeiramente ter ficha limpa, caráter e boa reputação. E isso tenho de sobra Graças a Deus.
Como cidadã, conheci as muitas necessidades de Itupeva em vários setores e optei por trabalhar com afinco na SAÚDE, pois como usuária do SUS e do Hospital Nossa Senhora, percebo que ainda falta muito, e que devido ao crescente número populacional, todo esforço é pouco para que a população finalmente venha a dizer que tem um bom serviço de saúde. Outro setor que me chama a atenção é o ESPORTE, e isso porque sei que essa é a forma através da qual, poderemos combater as drogas, principalmente no meio da juventude, tanto que como funcionária publica, abri as portas para o projeto Caminhada Por Uma Vida Sem Drogas, realizado em dezembro de 2014, e que pretendo que tenha continuidades, além de outros como CRAQUE SIM, CRACK NÃO, outra iniciativa que pretendo trazer para nossa cidade. Não podemos abandonar à própria sorte, o jovem simplesmente por falta de opção de atividades saudáveis e orientação qualificada. Continuarei fomentando a ARTE e a CULTURA, porque entendo que também são referências de sucesso o bom desenvolvimento e boas opções para todas a faixas etárias e sociais. Ema cada um desses setores, atitudes específicas e investimento serão necessários e isso o PRB tem mostrado que pode e sabe fazer mais e melhor que qualquer outro partido.


"Cada jovem retirados dos braços da criminalidade, representa a renovação da esperança em um futuro melhor para toda uma geração".

Me coloco a disposição de todos os cidadãos que quiserem conhecer mais sobre meus planos de trabalho como seu representante  na Câmara Municipal de Itupeva. Reúna seus amigos, convides seus vizinhos e eu irei até vocês para um papo agradável e esclarecedor.

Minha trajetória no Universo das Artes Plásticas está resumida aqui:
Aqui uma pequena mostra de minhas obras:

 



 



 





Palavras do Presidente Marcos Pereira



Olá republicanos de todo o Brasil!
Desde a última eleição municipal, em 2012, 108 cidades brasileiras tiveram que voltar às urnas porque o prefeito eleito foi afastado do cargo por irregularidades cometidas durante a campanha. Isso significa que a Justiça Eleitoral julgou procedentes denúncias de ‘caixa dois’, abuso do poder econômico e compra de votos, por exemplo.
Esse levantamento, feito por um jornal de circulação nacional, revela portanto que a cada nove dias no Brasil um prefeito foi removido das suas funções. Não foram considerados casos de corrupção, má gestão e até crimes hediondos, como pedofilia. Até isso existiu em pouco mais de dois anos e meio.
Esses números revelam uma situação preocupante. Para vencer a eleição a qualquer custo, candidatos corruptos agem criminosamente comprando votos, geralmente com dinheiro oriundo de esquemas. São recursos que deveriam ser empregados na boa gestão das cidades, mas são desviados para bancar campanhas milionárias.
O cidadão que vende seu voto por um churrasco, jogo de camisa de futebol ou qualquer benefício particular, como o pagamento de uma conta de luz, é tão responsável pelos problemas que se sucedem quanto o candidato eleito. Corrupto e corruptor fazem o mesmo mal à coletividade e aos interesses sadios da sociedade.
Ano que vem tem eleições municipais. Mais uma vez iremos às urnas votar e eleger prefeitos e vereadores. Para mim, é a eleição mais bonita, já que o cidadão tem contato direto com aqueles que decidem os rumos das cidades onde vivemos, pois é nelas que tudo acontece – saúde, educação, trânsito etc.
Gostaria que, desde já, você que lê esse artigo refletisse sobre isso. Não venda seu voto. Não entregue o futuro do seu município nas mãos de pessoas corruptas. Se ele age inescrupulosamente na hora da eleição, com toda certeza seguirá agindo assim pelos próximos quatro anos como prefeito. Aí não adianta reclamar.
Acompanhe o dia a dia da política da sua cidade. Conheça o atual prefeito, busque informações de mais de uma fonte, e vá investigando a vida daqueles que pretendem se candidatar em 2016. Avalie os projetos daqueles que tentarão a reeleição e veja se foram bons para o povo. Construa sua opinião com elementos sólidos.
Quando o cidadão de bem se ausenta da vida pública, pessoas mal intencionadas fazem a festa. E é isso que temos que mudar. Nosso compromisso deve se guiar pelo resgate da prática da boa política que foi perdida há algum tempo. Eu acredito nas pessoas de bem que existem na política. Você também deveria acreditar.
Marcos Pereira

Advogado e Presidente Nacional do PRB

Permita que me apresente...

Permitam que me apresente


Desenho Publicitário pela Escola Panamericana de Artes. Ha 16 anos adotei Itupeva como meu recanto, meu porto seguro e o lugar onde e para qual quero viver, trabalhar, empreender e cuidar. Desde que aqui cheguei, procurei me envolver em projetos sociais e me engajar em trabalhos voltados para a comunidade, que mais tarde se transformaria em uma família para mim. A princípio tive muitas dificuldades mas aos poucos fui conquistando espaço e a confiança das pessoas e de empresários que a partir de meu currículo começaram a me dar oportunidade de trabalhar pela cidade, começando pela restauração da Capela São Roque da Chave, trabalho que durou exatos cinco meses e que realizei voluntariamente, visando apenas me tornar mais conhecida para conquistar mais espaço de trabalho.  E assim foi, com o tempo e após restaurar o primeiro patrimônio histórico de cidade, novas portas foram se abrindo escola de samba local como cultura e conscientização,transformando essa festividade em uma referência de respeito ao cidadão e a família, com temas como Monteiro Lobato e seu Sítio do Pica Pau Amarelo e em outra ocasião, tratando da questão da preservação da natureza, fazendo um carnaval com materiais recicláveis.
Convidada por amigos que moram nos Estados Unidos, passei a organizar aqui o projeto Alegria, que visava abraçar algumas famílias nas festas de final de anos, provendo-lhes a alimentação, a ceia de Natal e brinquedos para cada criança de cada família. Em paralelo a tudo isso, corria em trilhos fecundos, a minha arte, que graças ao apoio de um empresário da cidade, ganhou espaço e rompeu fronteiras, indo parar na Inglaterra como artista representante do Brasil, ficando uma de  minhas obras no Palácio de Buckinghan no 81º aniversário da Rainha Elizabeth. 
Apos resistir por anos aos convites para sair candidata a vereadora por alguns partidos, na última eleição acabei me aventurando, mas ainda como pré-candidata percebi que havia feito uma escolha que não me agradava pelo plano de governo e metodologia de trabalho, e acabei migrando para apoiar Ricardo Bocalon, cujo plano de governo era mais humanitário e  vinha de encontro a muitas de minhas propostas. Permaneci nesse partido até que um convite me foi feito e não havia a menor possibilidade de recusar, afinal de contas, não é todo dia que se conhece um Secretário de Estado com olhares tão voltados para a juventude e tão preocupado em combater as drogas utilizando-se do esporte para isso. O Secretário de Esporte, Lazer e Juventude, Jean Madeira,  é hoje um companheiro de partido do qual me orgulho. Estudando todo o histórico do PRB (Partido Republicano Brasileiro) me chamou a atenção primeiramente por ser um partido voltado para a família e para a juventude, tanto que conheci o Secretário Estadual de Esporte Lazer e Juventude  Jean Madeira na "Caminhada Por Uma Vida Sem Drogas" que eu trouxe para a cidade, e que foi realizada pela Prefeitura Municipal de Itupeva em parceria com a Grand House de SP, através do Dr. Sérgio Oliva Castillo. Foi paixão partidária à primeira vista, pois quem haveria de imaginar que um Secretário de Estado sairia caminhando pelas ruas em baixo de um sol escaldante em prol de uma causa. Mas lá estava o Sr. Jean Madeira, mostrando que com humildade um político pode estar muito mais próximo ao povo e sentir-lhe as necessidades.


"A diferença entre ter fé e ter 

atitude
semelhante está nas mãos de 

quem sabe usar as duas

coisas em prol de seu".
                                                                                                EU AGORA  SOU 10
                                                                        



COM A PALAVRA, O PRESIDENTE




Olá republicanos de todo o Brasil.

Como previsto, a presidente Dilma Rousseff sancionou a lei que promoveu algumas alterações no sistema eleitoral brasileiro, entre elas a mudança do prazo de filiação de um ano para até seis meses antes das eleições, além da janela de 30 dias para mudança de partido para aqueles que detém mandato.
Isso significa que temos até dia 2 de abril de 2016 – portanto, seis meses a mais – para atrair pessoas de bem ao projeto do PRB em todo o Brasil. Nossa meta é audaciosa e precisamos atingi-la. Os presidentes estaduais já sabem o que devem fazer e serão devidamente cobrados. Não podemos vacilar.
Um ponto importantíssimo refere-se ao financiamento privado de campanha. Com o veto presidencial, estão proibidas doações em qualquer valor por parte de empresas – pessoas jurídicas. As campanhas serão custeadas por recursos do fundo partidário, doações pessoais (até 10% do rendimento bruto do ano anterior) e do próprio candidato.
A distribuição do tempo de televisão também teve mudança significativa – e aqui peço atenção dos presidentes estaduais e municipais. Apenas o tempo dos seis maiores partidos da coligação majoritária (para prefeito) será contado para efeito de propaganda eleitoral. O tamanho do PRB fará toda a diferença na hora de negociar apoios.
Exemplo: um candidato a prefeito do PSDB (54 deputados) tem em sua coligação oito partidos – PSD (37), PTB (25), DEM (22), PRB (21), PDT (19), PSC (12) e PPS (10). Para efeito de propaganda eleitoral, apenas o tempo dos seis maiores serão contabilizados. Neste caso, PSC e PPS ficariam de fora da contagem.
Isso significa que os candidatos majoritários tenderão a optar pelos partidos maiores, ampliando a importância dessas legendas na composição. A regra, no entanto, não vale para as coligações proporcionais, que continua somando o tempo de todos os partidos da coligação e distribuídos pela coordenação das campanhas.
Veja outras mudanças:
* Redução de 90 para 45 dias de campanha;
* Redução de 45 para 35 dias de campanha na TV;
* Janela de 30 dias para troca de partido antes do término do prazo de filiações (em 2016, apenas para prefeito e vereador);
* Debates televisivos terão candidatos cujos partidos tenham no mínimo nove (9) deputados federais;
Entre outras.
Fiquem atentos aos prazos e vamos em frente. A luta está apenas começando.
 Marcos Pereira
Advogado e Presidente Nacional do PRB

POLÍTICA e ÉTICA, podem caminhar juntas?





José Alencar Gomes da Silva é o décimo primeiro filho de um total de 15 descendentes do casal Antônio Gomes da Silva e Dolores Peres Gomes da Silva.

Aos 14 anos de idade, José Alencar deixou a casa paterna para trabalhar como balconista numa loja de armarinhos da cidade de Muriaé. Pouco depois, tendo recebido proposta mais vantajosa, transferiu-se para Caratinga, onde continuou a trabalhar como balconista.

Aos 18 anos, emancipado pelo pai, estabeleceu-se como comerciante, abrindo a pequena loja "A Queimadeira", cujo nome foi sugerido por um viajante português, sob o curioso argumento de que "se fosse um bar, seria Bar Cristal; mas não é um bar, então é 'A Queimadeira', porque vai vender barato...".
De comerciante a empresário
Depois de "A Queimadeira", José Alencar trabalhou como viajante comercial, atacadista de cereais, dono de fábrica de macarrão, atacadista de tecidos e industrial do ramo de confecções.

Em 1967, em parceria com o empresário Luiz de Paula Ferreira, da área de beneficiamento de algodão, fundou na cidade de Montes Claros, no Estado de Minas Gerais, a Companhia de Tecidos Norte de Minas (Coteminas), que se transformou em um dos maiores grupos industriais têxteis do país.

A Coteminas alcançou, em 2008, o número de 11 unidades industriais, distribuídas por quatro estados brasileiros - Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Paraíba e Santa Catarina -, além de uma unidade na Argentina. As 12 fábricas produzem e distribuem fios, tecidos, malhas, camisetas, meias, toalhas de banho e de rosto, roupões e lençóis, vendidos no mercado interno, nos Estados Unidos, na Europa e em países do Mercosul.

José Alencar também se dedicou às entidades de classe empresarial, tendo sido presidente da Associação Comercial de Ubá, diretor da Associação Comercial de Minas Gerais, presidente do Sistema Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais e vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI).
Atuação política
Em 1994, José Alencar candidatou-se ao governo do Estado de Minas Gerais, inovando a campanha eleitoral com uma postura de sentido ético e de pregação cívica. Em 1998, elegeu-se senador por Minas Gerais, recebendo quase três milhões de votos e assumindo, no Senado Federal, a presidência da Comissão Permanente de Serviços de Infra-Estrutura.

No ano de 2002, representando o Partido Liberal (PL), compôs a chapa do candidato Luiz Inácio Lula da Silva, elegendo-se vice-presidente da República para o período 2003-2006. Devido ao escândalo do mensalão, no qual deputados do PL estavam envolvidos, José Alencar transferiu-se para o Partido Republicano Brasileiro (PRB). Foi reeleito como vice-presidente para o mandato 2007-2010.

Durante sua carreira, José Alencar recebeu vários títulos, entre os quais os de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Viçosa (MG), Professor Honoris Causa pela Universidade Federal de Juiz de Fora (MG) e Doutor Honoris Causa pela Universidade Estadual de Minas Gerais - Unimontes, de Montes Claros (MG).

José Alencar foi distinguido com inúmeras condecorações e também é cidadão honorário de vários Estados e municípios brasileiros.

Casado com Mariza Campos Gomes da Silva, teve três filhos: Josué Christiano, Maria da Graça e Patrícia.

Depois de lutar por mais de 13 anos contra o câncer, o ex-vice-presidente da República José Alencar morreu na tarde do dia 29 de março de 2011, aos 79 anos, em São Paulo. A informação foi confirmada pela equipe médica.
Agência Brasil e site oficial da Presidência da República

PRB FORA DA BASE DE APOIO DO GOVERNO

NOTA OFICIAL: PRB decide sair da base de apoio do governo Dilma

NOTA OFICIAL: PRB decide sair da base de apoio do governo Dilma
Marcos Pereira anuncia saída do PRB da base do governo, em Brasília.
O PRB – Partido Republicano Brasileiro – decidiu hoje (16), após reunião entre o presidente Marcos Pereira, a Executiva Nacional e a bancada de deputados federais, sair da base do governo da presidente Dilma Rousseff e entregar os cargos que ocupa na administração pública federal. Esta decisão tem caráter definitivo e irreversível.
O partido levou em conta, além das sucessivas e graves denúncias de corrupção envolvendo o governo, a evidente dificuldade da presidente de formular um projeto político e econômico capaz de conter a crise instalada e restaurar a confiança dos brasileiros no futuro do país.
PRB não se posicionará como oposição, mas trilhará o caminho da independência, sem se negar ao diálogo, à colaboração e a votar favoravelmente todas as propostas que considerar positivas para o País.
Partido Republicano Brasileiro – PRB
Marcos Pereira – Presidente Nacional
Bancada do PRB no Congresso Nacional

terça-feira, 6 de outubro de 2015



Partido Republicano Brasileiro (PRB) é um partido político brasileiro. Em organização desde 2003, o registro definitivo foi emitido em 25 de agosto de 2005. É presidido por Marcos Antônio Pereira desde dia 9 de maio de 2011.  O partido evoluiu para um novo paradigma político, com ênfase nos princípios republicanos. Em Convenção Nacional, realizada no dia 25 de outubro de 2005, foi aprovado por unanimidade a alteração da sua denominação e respectiva sigla para Partido Republicano Brasileiro o PRB, antes denominado PRM. Com petição protocolizada no TSE sob o nº 13318/2005, requereu a mudança de denominação e sigla, a qual foi deferida em sessão de 11 de março de 2006, nos termos da Resolução/TSE nº 22.167.O partido tem como propósitos declarados: defender um conceito integral de cidadania (direitos políticos, civis e sociais), os direitos humanos, da criança, do adolescente, do idoso, da mulher e das gerações futuras. A organização também se declara comprometida com a preservação do meio ambiente e defende a realização de investimentos em escolas, estradas, hospitais e moradias. Também defende a liberdade de expressão, a valorização da família e afirma lutar pela transformação da Administração Pública em um instrumento voltado para atender exclusivamente aos interesses do povo brasileiro.
Aqui, apenas um breve resumo sobre o Partido Republicano Brasileiro.


A evolução no quadro de filiados foi um dos maiores ganhos que o PRB obteve, refletindo, portanto, a confiança e a credibilidade de vários brasileiros. Em agosto de 2007, o partido contava com 8.070 filiados e em novembro do mesmo ano, esse número saltou para 121.026 – um crescimento de mais de 1.400%, passando a ser o partido que mais cresce no País. Número que não para de crescer a cada novo balanço divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
O quadro político da base de representação do PRB conta com 40 prefeitos, 16 vice-prefeitos, 5 secretários municipais, 304 vereadores, 7 deputados estaduais, 4 deputados federais, 2 senadores, 1 ministro de Estado e o vice-presidente da República.

Saiba mais em:http://www.prb10.org.br/  

sábado, 15 de agosto de 2015

O CORPO FALA E MENTE, NÃO MENTE!

Reféns ou Escravos do tempo? Ainda não tenho a resposta, mas vivemos isso em nosso dia a dia com uma força que esmaga a alma e destrói até os ossos. Parece até que nosso corpo não nos pertence mais!
Acordamos para trabalhar, trabalhamos para viver e vivemos porque assim tem que ser, e quando foi que se perdeu o espaço do sonhar com o futuro? No tempo, creio eu. Assim me vem de pronto a resposta.
Penso, e distante do impulso de questionar os desígnios de Deus, me questiono, por que foi que tantas possibilidades não me vieram durante a juventude, ou que seja, a maturidade mais tenra? 
Hoje a mente povoada de boas ideias, borbulhando de boas intenções, transbordante de desejos de fazer acontecer e mudar situações não tão aprazíveis, já não encontra no corpo a resposta para tantos anseios. E é então que nos vemos reféns, aprisionados na jaula corpórea decadente sobre a qual a vida foi implacável!
Em outros tempos, diríamos nós, eu jogaria tudo para o alto e enfrentaria os leões nas arenas da vida, sem medo de arriscar. Não movidos pela impetuosidade da juventude inconsequente, mas livre do medo da condenação a uma velhice dependente de tudo e de todos. Semeamos e estamos colhendo? Será?
Mas e se a vida não nos deu outra alternativa, senão a de seguir pelos trilhos, parando de quando em quando nas estações, apenas para tomar fôlego para continuar? E se o destino que nos foi dado como missão passava mesmo por essas tantas experiências, teríamos chegado onde chegamos em condições de não tão dolorosa submissão? 
Diriam alguns: "tens ainda o livre arbítrio". E eu responderia: "sim, tenho o livre arbítrio mas também tenho o medo, tenho a insegurança e um corpo que não responde mais às consequências de escolhas mais ousadas!".
Ah, quem me dera poder dizer: "que vá tudo para o inferno, que se danem todos que tentam refrear minhas nobres ideias, que desavergonhadamente usam minha experiência de vida e meus ombros como trampolim ou escada!".
Prudência substitui o sabor de experimentar o novo, explorar outros caminhos, desafiar os poderosos  sem medo das represálias às quais o corpo já sucumbe e treme só de pensar nos resultados da ousadia de querer desafiar o destino, hoje em mãos alheias. Alheias ao nosso olhar amoroso, alheias ao nosso desejo de ajudar, e principalmente,  alheias a nossa lealdade! Deus meu, como o poder cega tanto as pessoas!
Pois falando por mim, apenas por mim, eu digo que só desejo mesmo poder continuar a servir, mas servir sem ser humilhada, sem ser subjugada, sem ser atropelada pela arrogância, falta de reconhecimento e respeito! Por que nos temem tanto assim, se não lhes almejamos o status ou a posição de "privilégio", aliás, privilégio conquistado através desses nossos ombros que carregamos o fardo de erros alheios. 
Não creio que todos se sintam assim, como mentes ativas e corpos curvados mas, observando em meu entorno, percebo que não sou a única.
Hoje o que vejo é a hipocrisia na ribalta, ofuscada pelos holofotes da pseudo-fama e aplaudidos pelas vítimas de suas línguas ferinas que não lhes percebem os olhares de desdem a dizer silenciosamente: "idiota, assim que eu puder te puxo o tapete e serei eu o teu amo e senhor". Mentes doentes, inescrupulosas e falsas que se escondem atrás de sorrisos largos de onde escorre o fel e o veneno!
Pois que cada um carregue para junto de si aquilo que atrai com suas própria atitudes e, que sua cegueira lhes indique exatamente o caminho do erro que os levará de volta a um passado de obscuridade, onde não haverá mais a ribalta, não haverá mais o glamour mas, também não haverá mais o corpo jovem a sustentar suas mentes cheias de ideias, planos e desejos de reconhecimento. O tempo é implacável para todos nós, ou ainda existe alguém que duvida disso?
Agradeço ao meu Deus, não o Deus da servidão, da humilhação, da falácia, do discurso vazio e desprovido de moral, não ao Deus usado, propalado em redes sociais apenas para promover a imagem dos tiranos mascarados e travestidos de mocinhos que empunham espadas da "justiça", mas que quando ninguém está olhando, apontam essas espadas para as cabeças cujo único erro foi pensar e acreditar!
Para finalizar, embora eu saiba que ficou muito ainda por dizer, ouso me adonar das palavras do mestre:
A semeadura é voluntária, mas a colheita é obrigatória, no terreno das leis de Causa e Efeito.
Tenham todos um bom dia, e se por "acaso" eu não mais puder falar, que minhas atitudes sejam usadas para os que me queiram julgar por ser o que sou e como sou!!!!!!!!
Fátima Ayache​

Meu corpo que me perdoe, mas minha mente e meu coração ditaram as palavras enquanto meus dedos apenas tocavam as letras no teclado do velho e companheiro computador.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Cresce cada vez mais o números de pessoas interessadas em se transformar em mais um elo da  corrente pela vida na limpa e livre
"CAMINHADA POR UMA VIDA SEM DROGAS"



No mês de agosto desse ano, trabalhando para a Gestão de Ricardo Bocalon e em parceria com a Grand House,  realizamos em Itupeva a "Caminhada por uma vida sem drogas", contando com o apoio do Secretário de Estado do Esporte, Lazer e Juventude, Sr. Jean Madeira, uma aliado no combate às drogas e fervoroso guerreiro na luta pela juventude brasileira, o premiadíssimo Secretário acaba de inaugurar uma academia de judô na cracolândia em São Paulo, abrindo para os usuários de drogas uma porta de saída desse universo que vem destruindo famílias e matando mais rápido que qualquer guerra. Isso faz com que eu sinta muito orgulho de ter sido a organizadora dessa caminhada em Itupeva, porque assim como nosso Secretário de Estado, eu também acredito que juntos somos mais fortes que qualquer batalha e que juntos podemos vencer essa também
Com o apoio do Movimento Faces e Vozes sob a coordenadoria do Dr. Bruno Ferraz e Dr. Sergio Oliva Castillo da Grand House, a caminhada foi coroada de êxito, acompanhada por mais de 300 pessoas e apoiada por várias empresas de Itupeva. 
Destaque para a equipe da saúde e do CAPS
Itupeva.



Mas não vamos parar por aí, afinal de contas, esse é um tema muito complexo e abrangente para limitar-se a uma caminhada. Vamos estende promovendo palestras e organizando grupos de combate às drogas em defesa da vida!
O esporte, o lazer, a cultura, as artes em prol dessa juventude que clama por oportunidades.

Relatório Mundial sobre Drogas 2015

No Relatório Mundial sobre Drogas de 2015 , o UNODC destaca que a prevalência do uso de drogas no mundo permanece estável. Cerca de 246 milhões de pessoas, ou um pouco mais de 5% da população mundial entre 15 e 64 anos de idade, (lembrando que a população mundial em 2015 é de 11,2 bilhões de pessoas, isso significa um número aproximado de 243 milhões de pessoas) usaram drogas ilícitas em 2014. Usuários de drogas problemáticos, por outro lado, somaram por volta de 27 milhões, das quais quase metade são pessoas que fazem uso de drogas injetáveis (PUDI).
Durante o lançamento do relatório em Viena no dia 26 de junho, Dia Internacional Contra o Abuso de Drogas e o Tráfico Ilícito, o Diretor Executivo do UNODC, Yury Fedotov, destacou que é necessário trabalhar mais para promover a importância de se entender e abordar a dependência como uma condição crônica de saúde que, assim como diabetes ou hipertensão, requer tratamento e cuidados sustentados a longo prazo. 

A parceria entre a GRAND HOUSE e a Prefeitura Municipal de Itupeva deve render grandes frutos para a juventude e famílias de nossa cidade. A alarmante estatística que aponta que 26% dos jovens da cidade já tiveram contato direto com algum tipo de droga, provoca em nós a urgência na reflexão sobre formas de combatermos esse mal. Mais alarmante ainda, e saber que 76% dos jovens envolvidos com a criminalidade, são usuários de drogas!
parceria entre a GRAND HOUSE e a Prefeitura Municipal de Itupeva deve render grandes frutos para a juventude e famílias de nossa cidade. A alarmante estatística que aponta que 26% dos jovens da cidade já tiveram contato direto com algum tipo de droga, provoca em nós a urgência na reflexão sobre formas de combatermos esse mal. Mais alarmante ainda, e saber que 76% dos jovens envolvidos com a criminalidade, são usuários de drogas!

domingo, 29 de julho de 2012

Quando nos deparamos com o mundo político, o concreto mundo da política, nos da a entender que existem diferenças entre política, ser político e fazer política. Política é uma ciência, é arte, é o meio de se fazer o bem comum. Pode ser entendida também de forma deturpada, apenas como um processo eleitoral para eleger pessoas para presidente, governador, prefeito, senador, deputado e vereador, onde o eleitor não busca saber quem são as pessoas que eles buscam para representá-los, se estes possuem um compromisso com a função e o papel que irão representar em qualquer das esferas quer Municipal, Estadual ou Federal. Imaginem ai caímos na cilada votando em alguém sem nenhum compromisso com a função ou o papel que representa.
Nesse caso, o eleitor cumpre apenas sua obrigação com a normativa legal que o obriga a ir votar, ou por outro lado negocia o voto de forma individual, ou coletivamente conforme o tamanho do curral eleitoral. Ser político, na essência verdadeira, é fazer valer os direitos dos cidadãos e o dever do Estado, conforme prever a legislação. É ter a capacidade de envolver a sociedade e envolver-se na defesa intransigente de um mundo justo e fraterno. Mas, na politicagem, pode ser uma forma de se dar bem, de fazer assistencialismo, ver no outro um objeto que se transforma em voto, uma mercadoria que pode dar lucro.
O importante é que o sujeito o eleve ao poder, não importando os meios, o compromisso e muito menos a ideologia. Fazer política exige o conhecimento cientifico da palavra e da função a ser exercida. É saber fazer o bem comum. Cumprindo o papel e os deveres atribuídos ao cargo. É ter ética, compromisso e dignidade. Mas na prática, o modelo capitalista pode ser uma forma para fazer corrupção, criar status, ter prestigio, ter poder, acumular riquezas, oprimir, ter influências. Ser meios de gerar dependências e alimentar currais eleitorais com assistencialismo, opressão, exploração, analfabetismo, desemprego, falta de moradia, saúde, transporte, educação, reforma agrária.
O grande questionamento que se faz é que ambas as formas de se ver ou fazer política exige a presença do eleitor para levar o político ao poder. Porém, só minoria do eleitorado é consciente, sabedor do seu dever, com ideologia convicta. Assim sendo, os meios para se chegar ao poder variam conforme cada indivíduo, uns compram votos com moeda, os que estão no poder usam a máquina, outros usam o poder do convencimento. O certo é que, através do voto, sem dinheiro dificilmente se chega ao poder. O politiqueiro colocou o eleitorado viciado, tanto no campo, como nas cidades.
O forte argumento usado pelos políticos eleitoreiros, de “direita ou esquerda”, é que no processo eleitoral não pode existir ética nem princípios, porque é unicamente o voto que leva o candidato ao poder. Com esse argumento, qualquer um pode chegar. Mas somente em discursos se diferenciam, na realidade nenhum destes fará nada ao povo, não servirão com justiça aos Municípios, Estados ou à União. Depois de eleitos passarão a viver a singularidade de seu mundo usando e abusando; claro, não são todos, caros leitores, observem aqui mesmo em Itupeva, já puderam notar fatos idênticos? O homem ou a mulher devem servir à política por idealismo, livres das amarras que comprometem a moral e aos costumes.

Antonio Freitas Neto